Abrir menu principal

Wikiversidade β

Processos e produtos jornalísticos em ambientes digitais

Disciplina do curso de Pós-Graduação em Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero.

Professora responsável: Michelle Prazeres

Carga horária: 60h/a (15 aulas/encontros)

Ano letivo: 2014

Contatos: michelleprazeres [arroba] gmail.com

Blog coletivo da disciplina.

Lista de ferramentas interessantes

Índice

EmentaEditar

A disciplina aborda as transformações ocorridas nos processos e produtos jornalísticos diante da disseminação das tecnologias digitais que caracteriza a cibercultura. Apresenta ao aluno o cenário da convergência com o enfoque nas práticas jornalísticas e nas teorias sobre os meios digitais de comunicação conectados em rede. Analisa as novas relações e possibilidades de produção, distribuição e recepção de conteúdo digital e seus impactos. Revela as novas funções e habilidades profissionais do jornalista, além de tendências nos modelos de negócios digitais na área. Discute o papel do jornalista diante da profusão de novos personagens no cenário da comunicação, especialmente a partir da emergência das redes sociais enquanto ambientes privilegiados de comunicação.

ObjetivosEditar

Dotar o aluno de conhecimento específico teórico e reflexivo sobre as Tecnologias de Comunicação e Informação, estruturadas para o formato midiático, objetivando o desenvolvimento de repertório crítico sobre as transformações do fazer jornalístico. Promover experimentações por meio de projetos, de modo a desenvolver práticas jornalísticas relacionadas à discussão teórica.

MetodologiaEditar

Aulas expositivas e participativas, com abordagem do design thinking e swing considerando as metodologias da educação popular.

Início com roda de conversa sobre temas da semana; seguida de exposição dialogada a partir de perguntas disparadoras; e, por fim, um tempo para que os grupos trabalhem nos projetos.

AvaliaçãoEditar

Individual: registro que pode ser enviado por email ao longo do curso ou ao final. O/a aluno/a escolhe um tema visto em sala e aprofunda, em formato post. Serão avaliados alguns critérios como: relevância do tema, profundidade do registro, diversidade de fontes e formatos jornalísticos utilizados na análise. Podem ser usados textos, imagens, vídeos, infográficos, etc. Caso seja um texto, o padrão é de um "post aprofundado" / artigo sobre o tema.

Em grupo: reportagem multimídia (curadoria ou apuração a ser definida pelos grupos). Com tempo de 30 minutos para trabalho em sala a cada aula.

Plano de aulasEditar

Aula 1 (22/08) Apresentação. Exposição dialogada: reconhecendo nosso objeto de estudo. O que é jornalismo ? O que são processos e produtos jornalísticos? O que são processos e produtos em ambientes digitais? O que muda no jornalismo em condição cibercultural? ‘Jornalismo digital’, ‘webjornalismo’, jornalismo online.

Dinâmica: mapeando expetativas com o curso. Revisão coletiva do plano de aulas.

Apresentação de slides da aula disponível aqui.

Síntese (lousa) sobre temas para o curso.

Síntese (lousa) sobre avaliação.

Aula 2 (29/08) Revisão da noção de jornalismo.

PERGUNTAS A SEREM RESPONDIDAS COMO CONTRIBUIÇÃO PARA A AULA:

O que é jornalismo? Como se faz jornalismo? Como se faz jornalismo em condição cibercultural? Se todo mundo se comunica, o que faz o jornalista e o que diferencia comunicação de jornalismo?

Sugestões de Leitura:

PRADO, Magaly. Webjornalismo. Rio de Janeiro, LTC, 2011.

SAVAZONI, Rodrido. DEAK, André. A linguagem libertada, 2007. http://www.jornalismodigital.org/2010/05/30/a-reportagem-na-era-digital/.

Apresentação de slides da aula disponível aqui.

Síntese do debate sobre jornalismo (lousa) disponível aqui.

Fotos da aula disponíves aqui.

Aula 3 (05/09) Introdução à cibercultura.

-Perguntas mobilizadoras: como o jornalismo se relaciona com outras instâncias de formação dos indivíduos hoje? Qual o papel do jornalismo na formação dos indivíduos? O que muda no (papel do) jornalismo em condição cibercultural?

Sugestões de leitura:

-SETTON, Maria da Graça Jacintho. Socialização e Cultura: Ensaios teóricos. São Paulo: Annablume, 2011.

-MILLS, Wright. A imaginação sociológica. Ed. Zahar: Rio de Janeiro, 1964.

-LEMOS, André. Cibercultura: remix. http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/remix.pdf

- TRIVINHO, Eugenio. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática contemporânea. São Paulo: Paulus, 2007.

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 4 (12/09) Introdução à cibercultura (continuação). Cultura da convergência.

Perguntas mobilizadoras: quais  as dinâmicas estruturantes da  cultura da convergência? Por que é um fenômeno cultural e não somente tecnológico? Que exemplos de convergência podemos ver em nosso cotidiano?

Sugestões de leitura:

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. Editora Aleph, 2008. Introdução. http://www.editoraaleph.com.br/site/media/catalog/product/f/i/file_1.pdf 

SILVEIRA, Sergio Amadeu da. Ciberativismo, cultura hacker e o individualismo colaborativo. Revista USP, 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13811

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 5 (19/09) Cultura hacker. Jornalismo hacker. Curadoria.

Sugestões de leitura:

Beiguelman, Gisele. Curadoria da informação. Palestra. USP, 2011. http://www.desvirtual.com/curadoria-de-informacao/

CORREA, Elizabeth Nicolau Saad (Org.). Curadoria digital e o campo da comunicação. Ed. 1. 2012. São Paulo. E-BOOK. 79 págs. Editora: ECA - USP. http://issuu.com/grupo-ecausp.com/docs/ebook_curadoria_digital_usp#download

CORREA, Elizabeth Saad e BERTOCCH, Daniela. O algoritmo curador: o papel do comunicador num cenário de curadoria algorítmica de informação. COMPOS, 2012. http://www.academia.edu/3635309/O_Algoritmo_Curador_o_papel_do_comunicador_num_cenario_de_curadoria_algoritmica_de_informacao

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 6 (26/09) Jornalismo de dados. Visualização de dados.

Sugestões de leitura:

Manual de Jornalismo de Dados: http://datajournalismhandbook.org/pt/index.html

JUNIOR, Walter Teixeira Lima. Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e prática profissional na Web de dados. http://www.ec.ubi.pt/ec/12/pdf/EC12-2012Dez-11.pdf

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 7 (03/10) Arquitetura da informação.

Sugestão de leitura: CAMARGO, Liriane Soares de Araújo de; VIDOTTI, Silvana Aparecida Borsetti Gregorio. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 248 p.

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 8 (10/10) Empreendedorismo e novos modelos de negócio.

Sugestão de leitura:

Erros, acertos e experiências no jornalismo pós-industrial: http://baixacultura.org/erros-acertos-e-experiencias-no-jornalismo-pos-industrial/

Sobre o fim do "Impedimento" e o ecossistema do jornalismo: http://www.brasilpost.com.br/leonardo-foletto/sobre-o-fim-do-ecossistema-do-jornalismo_b_5631759.html

A inteligência coletiva não vai salvar o jornalismo: http://trasel.com.br/a-inteligencia-coletiva-nao-vai-salvar-o-jornalismo/

Não sabemos nada: http://faroljornalismo.cc/blog/2014/08/22/nao-sabemos-nada/

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 9 (17/10) Mudanças nos processos de distribuição e veiculação. Recepção e audiência. Mediações. Experiência de usuário. Métricas. Processos de triagem de tráfego.

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 10 (24/10) Audiência participativa. Fãs. Redes sociais. Comunicação como direito x comunicação profissional.

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 11 (31/10) Jogando a notícia. Professor convidado: Fred di Giacomo.

Aula 12 07/11 Jornalismo e dispositivos móveis: Contexto;

Apresentação da aula disponível aqui.

Aula 13 14/11 Novas narrativas: jornalismo em condição de mobilidade. Produção. Revisão da noção de conteúdo: aplicativos e serviços. Internet das coisas. Websemântica.

Apresentação da aula disponível aqui.

Quadro da síntese jornalismo impresso - digital - mobile.

PLANO DE CURSO (A confirmar)

Aula 14 28/11 * Entrega dos trabalhos, leitura crítica das reportagens. Avaliação.

Aula 15 05/12 * Aula experimental: laboratório Redação 1 5o andar

Registro da aula

Referências bibliográficasEditar

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

BARBOSA, Suzana. MIELNICZUK, Luciana. Jornalismo e Tecnologias Móveis. Covilhã. Labcom, 2013. Disponível em: http://www.livroslabcom.ubi.pt/book/98

CAMARGO, Liriane Soares de Araújo de; VIDOTTI, Silvana Aparecida Borsetti Gregorio. Arquitetura da Informação: uma abordagem prática para o tratamento de conteúdo e interface em ambientes informacionais digitais. Rio de Janeiro: LTC, 2011. 248 p.

CORREA, Elizabeth Nicolau Saad (Org.). Curadoria digital e o campo da comunicação. Ed. 1. 2012. São Paulo. E-BOOK. 79 págs. Editora: ECA - USP. http://issuu.com/grupo-ecausp.com/docs/ebook_curadoria_digital_usp#download

FERRARI, Pollyana. A força da mídia social: interface e linguagem jornalística no ambiente digital. São Paulo, Factash, 2010.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. Editora Aleph, 2008.

LEMOS, André e JOSGRILBERG, Fabio (Orgs). Comunicação e Mobilidade: aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil. Salvador: EDUFBa, 2009. Disponível em: http://poscom.ufba.br/arquivos/livro_Comunicacao_Mobilidade_AndreLemos.pdf

LEMOS, André. Cibercultura: remix. http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/remix.pdf

MARTINO, Luis Mauro Sá. Teoria das mídias digitais. São Paulo: Vozes, 2014.

SAVAZONI, Rodrigo. DEAK, André. A linguagem libertada, 2007. http://www.jornalismodigital.org/2010/05/30/a-reportagem-na-era-digital/

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALT, Luis. PINHEIRO, Tennyson. Design Thinking Brasil: empatia, colaboração e experimentação para pessoas, negócios e a sociedade. Rio de Janeiro, Elsevier, 2011.

BECKER, Beatriz; BARREIRA, Ivone. Snow Fall: uma avalanche de criatividade e de desafios para o Ensino de Jornalismo. In: Revista Contracampo, v. 28, n. 3, ed. dezembro ano 2013. Niterói: Contracampo, 2013. Pags: 73-91. Disponível em: http://www.uff.br/contracampo/index.php/revista/article/viewFile/587/379

Beiguelman, Gisele. Curadoria da informação. Palestra. USP, 2011. http://www.desvirtual.com/curadoria-de-informacao/

BENKLER, Yochai. The Wealth of Networks – How Social Production Transforms Markets and Freedom. London: Yale University, 2006.

BOUNEGRU, Liliana. CHAMBERS, Lucy. GRAY, Jonathan. Manual de Jornalismo de Dados, 2012. Disponível em: http://datajournalismhandbook.org/pt/index.html

Brambilla, Ana. Para entender as mídias sociais. Disponível em: http://www.slideshare.net/ambrambilla/para-entender-as-mdias-sociais

BRUNO, Fernanda. Máquinas de ver, Modos de ser - Vigilância, tecnologia e subjetividade. Porto Alegre, Editora Sulina, 2014. Disponível em: http://www.editorasulina.com.br/detalhes.php?id=625

CASTELLS, Manuel. Communication Power. Oxford, 2009.

CAZELOTO, Edílson. Inclusão Digital: uma visão crítica. São Paulo: Editora SENAC, 2008.

CORREA, Elizabeth Saad e BERTOCCH, Daniela. O algoritmo curador: o papel do comunicador num cenário de curadoria algorítmica de informação. COMPOS, 2012. http://www.academia.edu/3635309/O_Algoritmo_Curador_o_papel_do_comunicador_num_cenario_de_curadoria_algoritmica_de_informacao

COSTA, Rogério da. Inteligência coletiva: comunicação, capitalismo cognitivo, swing e micropolítica. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 37, p. 61-68, dez. 2008.

CRUCIANELLI, Sandra. Ferramentas digitais para jornalistas. Knight Center for Journalism in the Americas. Disponível em: https://knightcenter.utexas.edu/hdpp_pt-br.pdf

FEBBER, Emily. Getting GitHub: Why journalists should know and use the social coding site, 2013. Disponível em: http://knightlab.northwestern.edu/2013/06/13/getting-github-why-journalists-should-know-and-use-the-social-coding-site/

FIORIN, Jose Luiz. Linguagem e Ideologia. São Paulo: Ática, 2005 (Série Princípios).

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. São Paulo, Editora Paz e Terra, 1967. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/paulofreire/livro_freire_educacao_pratica_liberdade.pdf

JUNIOR, Walter Teixeira Lima. Big Data, Jornalismo Computacional e Data Journalism: estrutura, pensamento e prática profissional na Web de dados. http://www.ec.ubi.pt/ec/12/pdf/EC12-2012Dez-11.pdf

KIM, Joon Ho. Cibernética, ciborgues e ciberespaço: notas sobre as origens da cibernética e sua reinvenção cultural Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 10, n. 21, p. 199-219, jan./jun. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-71832004000100009&script=sci_arttext

LEMOS, André e JOSGRILBERG, Fabio (Orgs). Comunicação e Mobilidade: aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil. Salvador: EDUFBa, 2009. Disponível em: http://poscom.ufba.br/arquivos/livro_Comunicacao_Mobilidade_AndreLemos.pdf

LEMOS, André. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre, Editora Sulina, 2004. LEMOS, André. Cibercultura: remix. http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/andrelemos/remix.pdf

LESSIG, Lawrence. Cultura livre: como a grande mídia usa a tecnologia e a lei para bloquear a cultura e controlar a criatividade. 2004. Disponível em: <http://free-culture.cc/(inglês)> e <http://stoa.usp.br/oerworkshop/files/1333/7582/cultura_livre.zip (português)>. Acesso em: 21 de janeiro de 2009.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Diversidad en convergencia. Ministério da Cultura do Brasil. Seminário Internacional sobre diversidade Cultural. Brasília, 27 a 29 de junho de 2007. Disponível em <http://web.archive.org/web/20071206014601/http://www.cultura.gov.br/blogs/diversidade_cultural/wp-content/uploads/2007/07/diversidadenconvergencia_barbero.pdf>. Acesso em: 20/04/2009

McGonigal Jane. A realidade em jogo: por que os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Rio de Janeiro: Bestseller, 2012.

MILLS, Wright. A imaginação sociológica. Ed. Zahar: Rio de Janeiro, 1964.

PAULINO, Rita; RODRIGUES, Vivian. (org). Jornalismo para Tablets: pesquisa e prática. Editora Insular, 2013.

PERUZZO, Cicilia. . Comunicação nos movimentos populares: a participação na construção da cidadania (3ª edição). 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2004. v. 1. 342p.

PRADO, Magaly. Webjornalismo. Rio de Janeiro, LTC, 2011.

Pretto e Silveira. Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador, Edufba, 2008. Disponível em: http://books.scielo.org/id/22qtc

SANTAELLA, Lucia. Linguagens Líquidas na Era da Mobilidade. São Paulo: Paulus, 2007.

SANTOS, Laymert Garcia. Politizar as novas tecnologias: o impacto sócio-técnico da informação digital e genética. São Paulo: Ed. 34, 2003.

SETTON, Maria da Graça Jacintho. Socialização e Cultura: Ensaios teóricos. São Paulo: Annablume, 2011.

SILVA, Daniela. MARKUN, Pedro. Jornalismo Hacker. Apresentação, 2012. Disponível em: http://www.casadaculturadigital.com.br/santos/semanajornalismodigital/2012/08/28/veja-como-foi-a-semana-de-jornalismo-digital/jornalismo-hacker-sesc-santos/

SILVEIRA, Sergio Amadeu da. Ciberativismo, cultura hacker e o individualismo colaborativo. Revista USP, 2010. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/13811

Souza, Mauro Wilton de (Org). Sujeito, o lado oculto do receptor.. São Paulo: Ed. Brasiliense – ECA-USP, 1995.

TRIVINHO, Eugenio. A dromocracia cibercultural: lógica da vida humana na civilização mediática contemporânea. São Paulo: Paulus, 2007.

OUTRAS REFERÊNCIAS

Estratégias de Produção Transmídia na Ficção Televisiva. https://blogdoobitel.files.wordpress.com/2012/09/anuacc81rio-2014-portuguecc82s.pdf

Mapeamento da mídia digital no Brasil. http://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/11945/Mapeamento%20da%20M%C3%ADdia%20Digital%20no%20Brasil.pdf?sequence=1

Um modelo de negócio para o jornalismo digital, de Caio Tulio Costa. http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/um_modelo_de_negocio_para_o_jornalismo_digital

Jornalismo planejado funciona melhor, de Celso Nucci. http://observatoriodaimprensa.com.br/news/view/jornalismo-planejado-funciona-melhor

Games for change: http://gamesforchange.org.br/

Empresa com forte presença digital usando a metodologia de startup impacta mercado de cupcake no sul do Brasil Cupcakes em Porto Alegre

Projeto "truco", Agência A Pública: http://apublica.org/truco/

Voto ou Veto: http://info.abril.com.br/noticias/blogs/download-da-hora/iphone/aplicativo-ajuda-usuario-a-decidir-em-quem-votar-nas-eleicoes/

Agência que disponibilizou para uso cultural gratuito baseado no conteúdo financeiro http://www.afortunado.com.br/

Agência Ragazze : disponibilizou material para uso cultural http://www.ragazze.com.br

Agencia mestre: http://www.agenciamestre.com/

Agência Lá Più Bella Donna http://www.brigadeiroportoalegre.com.br/

Scup: https://www.scup.com/pt/

Startup Baseado no Business Canvas Model of Loans Business The Empréstimos Certo: Empréstimos Porto Alegre

Manual de Jornalismo de Dados: http://datajournalismhandbook.org/pt/index.html

Vídeo do Porta dos Fundos sobre o Spoletto: https://www.youtube.com/watch?v=ebe-3s4TLfQ

Lista de ferramentas interessantes

Texto Erros, acertos e experiências no jornalismo pós-industrial

Ebook LabCOM UBI: COMUNICAÇÃO DIGITAL 10 ANOS DE INVESTIGAÇÃO.

Manual dos dados abertos

Startup brasileira que impacta o ambiente digital usando metodologia própria com conceitos jornalísticos Rank Monitor

Muitos jornalistas top não acompanham os números de audiência. Aqui está o motivo http://faroljornalismo.cc/blog/2014/04/17/muitos-jornalistas-top-nao-acompanham-os-numeros-de-audiencia-aqui-esta-o-motivo/

A influência das métricas no jornalismo digital

http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed806_a_influencia_das_metricas_no_jornalismo_digital

Laboratório de estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic)

Pragmatismo durante breaking news: algumas reflexões sobre silêncio e timing no jornalismo em rede

http://faroljornalismo.cc/blog/2014/06/20/pragmatismo-durante-breaking-news-algumas-reflexoes-sobre-silencio-e-timing-no-jornalismo-em-rede/

Editor explica como a agência AP verifica o conteúdo gerado por usuário

http://faroljornalismo.cc/blog/2014/02/18/editor-explica-como-a-agencia-ap-verifica-o-conteudo-gerado-por-usuario/

CULTURA, POLÍTICA E ATIVISMO NAS REDES DIGITAIS: http://www.fpabramo.org.br/publicacoesfpa/wp-content/uploads/2014/10/RedesDigitais-web.pdf

Robert Hernandez: What journalists need to know about the power of code

http://www.poynter.org/how-tos/digital-strategies/224337/what-journalists-need-to-know-about-the-power-of-code/

Dominique Wolton, sociólogo:‘Quando todos falam, ninguém fala’: http://oglobo.globo.com/sociedade/conte-algo-que-nao-sei/dominique-wolton-sociologoquando-todos-falam-ninguem-fala-13994845

Facebook muda a forma como os seus usuários consomem jornalismo: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/news/view/_ed823_facebook_esta_mudando_a_forma_como_os_seus_usuarios_consomem_jornalismo

Multiple journalism: http://multiplejournalism.org/

Mestre Search: Seo Porto Alegre

"Webjornalismo: 7 caraterísticas que marcam a diferença".  http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/20141204-201404_webjornalismo_jcanavilhas.pdf

PERIODISMO EN LA WEB. Lenguajes y Herramientas de la Narrativa Digital. http://rdu.unc.edu.ar/bitstream/handle/11086/1675/2014%20Periodismo%20en%20la%20web.pdf?sequence=1

https://ijnet.org/pt-br/blog/como-engajar-seu-p%C3%BAblico-antes-durante-e-depois-da-reportagem

Textos publicados pelos alunos.Editar

Reportagens MultimídiaEditar

Achei na Paulista: http://acheinapaulista.com.br/

Retratos do Paquetá: http://padlet.com/kakapimentel/retratospaqueta

Ativismo e internet: http://dudarizek.wix.com/ativismoeinternet

Violência obstétrica: https://aviolenciaobstetrica.wordpress.com/

Vaidade masculina: http://barbarabrogelli.wix.com/vaidade-masculina (Alessandra Leite, Barbara Brogelli, Camila Nepomuceno, Fabio Lima, Lygia Conde, Renata Castro)